Friday, February 10, 2006



Um dos melhores álbuns de covers de todos os tempos. Bastaria para definir o terceiro trabalho de Nick Cave. Este australiano deixou sua marca inconfundível na história do rock, com sua voz grave e soturna, suas letras em prosa narrativa, sua fixação em temas religiosos, morte, amor e violência, sempre sob uma ótica bizarra e heterodoxa, e muitíssimo bem acompanhado pelos Bad Seeds: Blixa Bargeld, Mick Harvey e Tommy Wydler. Além do álbum a ser comentado hoje, Nick Cave tem, a meu ver, mais 6 momentos fundamentais: sua estréia, em 1984 com From Her to Eternity; seu segundo disco, The Fisrstborn Is Dead, de 1985; o perfeito Tender Prey, de 1988; Let Love In, de 1994; The Boatman's Call, de 1997, centrado no rompimento com PJ Harvey e o excelente No More Shall We Part, de 2001. Nick Cave é claramente influenciado por outro ícone da música, Leonard Cohen, já comentado n'O Cárcere das Asas anteriormente, e faz desta influência uma de suas grandes qualidades artísticas. Poucos são tão sombrios e tão belos como os discos deste cantor/compositor único. Kicking Against The Pricks é um trabalho lapidar. Passeando com habilidade por diversas vertentes musicais, Cave revisita magnificamente canções díspares como Something's Gotten Hold of My Heart, de Gene Pitney, um hit pop e All Tomorrow's Parties, do Velvet Underground. Há ainda outra pérolas no CD: Hey Joe, eternizada por Hendrix; I'm Gonna Kill That Woman, de John Lee Hooker; The Singer, de Johnny Cash; Black Betty, de Leadbelly e The Hammer Song, de Alex Harvey. Um disco imperdível, portanto. Com ele, Cave firma-se no universo da música como um intérprete versátil e qualificado, além da promessa de grande compositor (à época), confirmada posteriormente pela seqüência de trabalhos de alto nível que produziu. Há ainda uma curiosidade interessante. Nick Cave gravou no Brasil o álbum The Good Son, em 1990, uma obra marcada por referências religiosas, incluindo um hino evangélico, cantado em português, Foi Na Cruz. Cave casou com uma brasileira, neste período. Com certeza o rock perderia bastante de seu lado mais sombrio, mais melancólico, sem a intervenção poderosa de Cave e sua banda, uma voz gutural que canta a morte, a dor, a fé (ou a falta dela), alternando baladas pungentes com rocks nervosos, à maneira do meste Iggy Pop, outra influência fundamental. Cave deve ser ouvido atentamente, suas letras são textos sempre cuidadosamente escritos, os arranjos de suas canções são invariavelmente belos e a dor que ele transmite rasga a carne de quem ouve. Por tudo isso, um nome escrito com letras maiúsculas na história do rock.

Celso Boaventura

3 Comments:

Blogger Celso said...

Lisonjeado, Virna, por poder colaborar mais uma vez com o los excessivos.

Sempre à disposição

Um beijo

2:08 PM  
Blogger virna said...

ótimo texto, celso. muito bem escolhido. contente com a sua colaboração por aqui.
um beijo

10:00 PM  
Blogger Jair Cortés said...

caro celso, nick cave es un extraordinario artista de los tiempos excesivos, ahora me haces recordar aquella canción "the weeping song". un abrazo desde el exceso.

12:30 PM  

Post a Comment

<< Home